quarta-feira, 29 de abril de 2009

Desabafo

Gosto de acender incenso vez por outra. Por isso, costumo ter em casa vários tipos de incenso, cada um pra uma finalidade. Antes de ontem, porém, tive de jogar umas seis "caixinhas" no lixo. Todas passadas da validade (sim, incensos também têm data de validade) e isso não por eu tê-las comprado e demorado a usar. Não. Na verdade, comprei-as fora do prazo de validade (sem saber, claro).

É, eu tenho certeza, porque comprei os tais incensos na "Mundo Verde" do Plaza há um mês e, quando fui ver, antes de ontem, todos tinham mais de um ano de vencidos. Minha vontade foi a de ir lá reclamar, mas, como não conservava mais a nota fiscal, não havia muito o que fazer, talvez apenas mencionar o fato quando eu for à "Mundo Verde" de novo. De todo modo, a partir de agora, serei mais atenta a essa questão da validade dos incensos, mesmo porque acho que é algo completamente negligenciado pelos comerciantes, que, imagino, não cogitam da existência de prazo de validade no que se refere a incensos. O desconhecimento deles, contudo, não afasta a responsabilidade que, por força do Código de Defesa do Consumidor, têm. Isso porque esse diploma legal - desculpem a eventual chatice - consagra, no seu art. 18, a responsabilidade objetiva (sem necessidade de prova de dolo ou culpa) dos fornecedores de produtos de consumo duráveis ou não duráveis que tragam vícios de qualidade (prazo de validade ultrapassado, por exemplo) ou quantidade que, dentre outras coisas, os tornem impróprios ou inadequados ao consumo. O CDC é tão atento à questão que, além de determinar ser a responsabilidade objetiva nesses casos, diz, ainda, que se trata também de responsabilidade solidária, pelo que mesmo o fabricante pode ser responsabilizado caso o comerciante venda o produto daquele (do fabricante) após expirada a validade.

Em todo caso, porém, o melhor, inclusive pra evitar dor de cabeça, é checar o prazo de validade, tanto dos incensos, como de tudo o mais. Quando a gente esquecer disso, todavia, e se deparar com um produto com prazo de validade expirado, é preciso, apesar de ser algo chato e até desgastante de fazer, reclamar. Reclamar pra que o consumidor seja tratado com mais cuidado. Reclamar porque, nessas situações, realmente é preciso. E como é!

4 comentários: